[Resenha] A Loja dos Suicidas

Sua vida foi um fracasso? Conosco, sua morte será um SUCESSO!

loja dos suicidas

Terminei de ler, de uma tacada só, A Loja dos Suicidas (Le magasin des suicides), do francês Jean Teulé, em publicação nacional da Ediouro (onde se lê de uma tacada só, leia-se numa viagem de ida e volta para o trabalho).

A sinopse do livro diz o seguinte: “Imagine uma loja onde são vendidos, há dez gerações, todos os produtos possíveis e imagináveis para se suicidar. As opções são infinitas: desde bombons envenenados até balas de revólver e cordas de enforcamento. Esta é a famosa Loja dos Suicidas da família Tuvache. Determinada a manter sua tradição e excelência de atendimento e qualidade, essa pequena empresa familiar prospera na tristeza e no humor negro até o abominável dia em que surge um adversário impiedoso: a alegria de viver!”

A tal loja está na família Tuvache há gerações, que hoje é comandada pelo pai (Mishima), a mãe (Lecrèce) e os filhos Marilyn (uma adolescente infeliz com seu corpo com medidas além dos “padrões”) e Vincent (um adolescente anoréxico com uma terrível e permanente enxaqueca, que o obriga a enfaixar a cabeça com ataduras, para tentar aliviar a dor que sente). Tudo vai muito bem com os negócios: os clientes saem de lá sempre bastante satisfeitos e ninguém nunca voltou para reclamar. Até a chegada do terceiro filho da família, Alan.

Alan não tem nada a ver com o restante da família, pois, ao contrário de seus pais e irmãos, que só não se matam porque têm que manter o negócio da família, Alan está sempre feliz, vê o lado positivo de tudo e sempre deseja um “até breve” a todos os clientes (adivinhe quem é o “adversário impiedoso” de que fala a sinopse do livro?).

A história se passa em um tempo e um local fictício e indeterminado, e é permeada de humor negro. É impossível não sentir pena do velho Sr. Mishima, sofrendo de depressão ao ver sua família e sua loja, que tantos bons serviços prestaram à sociedade, serem convertidas em algo além do que poderia imaginar qualquer um que achasse que a vida é algo que não merece ser vivido.

O livro tem um clima de sessão da tarde, com uma leitura fácil e divertida. O mundo criado pelo autor (onde uma partida de futebol perdida é sinônimo de aumento nas vendas no dia seguinte), os personagens que permeiam o livro e o final, realmente inesperado, são pontos fortes que fazem valer a pena sua leitura descompromissada.

E, sim, daria um ótimo filme de Tim Burton!

Nota: 7,0

Ficha Técnica
Título original: Le Magasin Des Suicides
Editora: Ediouro
Autor: JEAN TEULÉ
ISBN: 9788500024863
Ano: 2010
Número de páginas: 144

Os comentários estão desativados.
%d blogueiros gostam disto: