Arquivo para janeiro \27\UTC 2012

Trichrome Blue

 
Uma animação de Lois van Baarle, idealizada como resultado de uma graduação em animação na Utrecht School of the Arts.

Alice por Dali

Em 1969, Salvador Dali criou uma série de 13 ilustrações para uma edição comemorativa de “Alice no País das Maravilhas” (a capa e uma abrindo cada capítulo da edição). Os desenhos estão em exposição permanente na William Bennett Gallery, em Nova York, mas não é preciso ir tão longe para vê-los:

01- Alice - capa

Capa

02- Para baixo na toca do coelho

Para baixo na toca do coelho

03- Lagoa de Lágrimas

Lagoa de Lágrimas

04- Uma corrida de comitê e uma longa história

Uma corrida de comitê e uma longa história

05- O Coelho manda Bill, o lagarto

O Coelho manda Bill, o lagarto

06- Conselho de uma lagarta

Conselho de uma lagarta

07- Porco e Pimenta

Porco e Pimenta

08- Um chá maluco

Um chá maluco

09- O jogo de críquete no campo da rainha

O jogo de críquete no campo da rainha

10- A história da falsa tartaruga

A história da falsa tartaruga

11- A dança da lagosta

A dança da lagosta

12- Quem roubou as tortas

Quem roubou as tortas

13- O depoimento de Alice

O depoimento de Alice

Talvez ninguém fosse mais indicado para ilustrar uma história tão surrealista como Alice do que Salvador Dali. Visto aqui e aqui.

Histórias em Quadrinhos (1969)

Um curta de 10 minutos onde o cineasta Rogério Sganzerla, com a ajuda de Alvaro de Moya, traça um panorama da história e evolução das HQs, desde seu surgimento até as primeiras histórias publicadas no Brasil, utilizando uma técnica de linguagem similar à dos próprios quadrinhos.

 
Visto aqui.

Quem aceita o desafio?

annon-libertar

Chamada para HQs ativistas

(…)

Hoje venho apresentar uma proposta que nasceu devido aos últimos acontecimentos. Creio que todos já estejam cientes de que vivemos tempos de guerra contra a opressão e a ganancia dos que desejam acabar com o resquício de liberdade que ainda temos. Estamos presenciando eventos históricos. AI5 Digital, Marco Civil da Internet, prisão de Julian Assange, SOPA, PIPA, ACTA, Pinheirinho, super popularização do movimento Anonymous. Temos algumas pessoas que já se comprometeram e começaram a produzir, mas precisamos de mais. Muito mais. Precisamos de todos vocês.

O que é: quadrinhos colaborativos ativistas sem fins lucrativos. Já temos também animador e dublador, logo, também faremos animações.

Objetivo: contar histórias que divulguem, informem e conscientizem os leitor sobre temas como: liberdade, direitos autorais, neutralidade na internet, justiça, problemas sociais, “ditadura velada”, movimentos como Occupy, resistências contra opressão governamental, contra o sistema e formas de poder, corrupção e manipulação em geral.

A quem se destina: a qualquer um, inicialmente que tenha acesso à internet. Futuramente podemos pensar em uma publicação impressa com os melhores trabalhos, financiada através de crowdfunding, vendida a preço de custo.

Direitos autorais: os autores que participarem do projeto “abrem mão” dos direitos autorais de roteiro, personagens e ilustrações. Os trabalhos serão publicados sob licença Creative Commons. Os que desejarem ser creditados, serão. Os que desejarem se manter anônimos, serão.

Selo: para facilitar a divulgação e a viralização das HQs, um nome fantasia que funcione como um selo será muito útil, uma vez que esse nome poderá ser utilizado em hashtags, banners, etc. Divulgando um nome do coletivo, divulga-se todas as HQs. Um leitor, conhecendo uma dos trabalhos, saberá que há outros com a mesma proposta, basta buscar. Também facilitará para blogueiros e jornalistas a fazer a divulgação do material.

Quem fará: Qualquer um que desejar, tiver um mínimo de talento e tiver algo a dizer sobre o tema. Não é necessário fazer parte do nosso coletivo que está sendo aqui formalizado. Basta utilizar o nome do selo para que a divulgação seja forte. Nosso grupo poderá servir como inspiração para outros ao redor do mundo.

Gênero: Que tipo de histórias serão feitas? Cada um fará aquilo que mais agrada. Podem ser feitas desde histórias de uma única página a graphic novels de 100 páginas. Animações também são bem-vindas. Podem ser no formato de documentário, como a HQ “Prisioneira da Lei” ou uma história de ficção científica futurista que reflita esses temas atuais. Podem ser relatos de histórias reais de movimentos como o Occupy, como a coletânea Occupy Comics. Relatos ou histórias “fictícias” sobre Belo Monte, ficção especulativa mostrando as consequencias da ação em Pinheirinho em um futuro próximo, ou quem sabe adaptações de musicas de artistas como Raul Seixas, Rage Against the Machine e System of A Down, que sempre fizeram duras críticas em seus trabalhos. Enfim, o que a criatividade mandar.

Como será feito: os artistas se inscreverão em um fórum específico para fins de organização de projetos e equipes. Cada um poderá criar tópicos sobre suas ideias de projetos, especificando de que precisam em termos de colaboração. Desenhistas que não fazem roteiros poderão procurar no fórum projetos com que se identificam ou postar seus portfólios para que roteiristas os contatem. O objetivo é que equipes sejam formadas através de auto-gerenciamento. Não haverá um administrador que modere a movimentação, o relacionamento deverá sempre ser horizontal. Será bem-vindo que artistas auxiliem sempre uns aos outros, mesmo sem participar diretamente dos projetos dos demais. Colaboratividade é a palavra-chave.

Distribuição: Todos os trabalhos serão postados em um site criado especialmente para isso, utilizando o plugin open source de leitura online Comics Livres, criado pelo Edson Garrido. Claro que vocês podem postar seus trabalhos em outros lugares também.

Formato: Seria interessante se fizéssemos páginas em formato horizontal, ao invés de vertical, para evitar barras de rolagem e aproveitar melhor o plugin que foi desenvolvido pensando nisso. Mais detalhes futuramente.

Quem aceita o desafio?

Publicado originalmente aqui (visite o site para futuras informações).

Obras de McCay para download

little-nemo

A The Comic Strip Library mantém, em seu site, imagens digitalizadas e com boa resolução de várias páginas de “Krazy Kat”, de George Herriman, e todas as páginas de “Little Nemo” e de “Dream of the Rarebit Fiend”, de Winson McCay.

Agora, o site disponibilizou todas as imagens das duas séries de McCay em arquivos compactados. Para baixá-las, clique aqui e aqui. Aqueles que têm medo de ir para o inferno por violar algum direito autoral baixando algo na internet, não precisam se preocupar: as obras já estão em domínio público.

Visto aqui.

Como lidar com a morte

 
Uma animação de Ignacio Ferreras. Visto aqui.

Melhores e piores

guia

O Guia dos Quadrinhos abriu as votações para os melhores e piores de 2011. São mais de 650 obras, divididas em 24 categorias, que podem ser classificadas como Ótimo, Bom, Regular, Ruim e Péssimo.

A votação é aberta a qualquer pessoa, mas deve ser feito um cadastro no site antes. O prazo é até 5 de fevereiro, e os votos podem ser alterados até a data de fechamento da votação.

Tá esperando o quê? Clique aqui!

%d blogueiros gostam disto: