Sopa amarga

Neil Gaiman juntou-se a vários outros artistas e elaborou uma carta aberta ao Congresso americano, repudiando os projetos já bastante conhecidos como SOPA e PIPA (se não sabe o que são, veja aqui).

Veja abaixo, em tradução livre (e tosca) para o vernáculo (se também não sabe o que é, veja aqui):

Nós, abaixo assinados, somos músicos, atores, diretores, autores e produtores. Nós vivemos das obras artísticas que criamos. Somos também usuários da Internet.

Estamos escrevendo para expressar nossas sérias preocupações quanto à PROTECT Act IP (PIPA) e ao Stop Online Piracy Act (SOPA).

Como profissionais criativos, nós experimentamos a violação de direitos autorais em um nível muito pessoal. A pirataria comercial é profundamente injusta e vazamentos constantes de filmes recém-lançados e músicas inéditas interferem com a integridade de nossas criações. Somos gratos pelas medidas políticas que têm sido promulgadas para proteger nossas obras.

Nós, juntamente com o resto da sociedade, nos beneficiamos imensamente de uma Internet livre e aberta. Ela nos permite conectar com nossos fãs e alcançar novos públicos. A utilização de serviços de mídia social como Facebook, Twitter e YouTube, pode nos colocar em contato direto com milhões de fãs e interagir com eles de maneira que teria sido inimaginável poucos anos atrás.

Temos receio de que os grandes poderes de execução previstos no novo SOPA e PIPA poderiam ser facilmente utilizados contra serviços legítimos, como aqueles dos quais dependemos. Esses projetos de lei permitiriam que sites inteiros fossem bloqueados sem o devido processo, causando danos colaterais para os usuários legítimos dos mesmos serviços – artistas e criadores como nós, que seriam censurados como resultado.

Estamos profundamente preocupados que o impacto dos projetos PIPA e SOPA sobre a pirataria seja insignificante em comparação com o potencial de danos que seriam causados ​​aos serviços de Internet legítimos. A pirataria online é prejudicial e precisa ser tratada, mas não às custas da censura à criatividade, sufocando a inovação ou impedindo a criação de novos métodos de distribuição legal digital.

Instamos o Congresso a agir com extrema cautela e assegurar que a Internet livre e aberta, sobre o qual tantos artistas contam para promover e distribuir seu trabalho, não se torne dano colateral no processo.

Respeitosamente,

Aziz Ansari
Kevin Devine, Músico
Barry Eisler, Autor
Neil Gaiman, Autor
Lloyd Kaufman, Cineasta
Zoë Keating, Músico
The Lonely Island
Daniel Lorca, Músico (Nada Surf)
Erin McKeown, Músico
MGMT
Samantha Murphy, Músico
OK Go
Amanda Palmer, Músico (The Dresden Dolls)
Quiet Company
Trent Reznor
Adam Savage, Artista de Efeitos Especiais (MythBusters)
Hank Shocklee, Produtor Musical (Public Enemy, The Bomb Squad)
Johnny Stimson, Músico

Visto aqui.

E, pra descontrair:

 
Recebido via Twitter (via riocomicon).

Os comentários estão desativados.
%d blogueiros gostam disto: