De Huxley para Orwell

huxley-aldous

Wrightwood. Cal.

21 de Outubro de 1949

Caro Sr. Orwell,

Foi muito gentil de sua parte pedir para os seus editores me mandarem uma cópia do seu livro. Chegou quando eu estava no meio de um trabalho que exigia bastante leitura e consultas a referências; e devido a minha visão deficiente é necessário que eu modere a minha leitura. Eu tive que esperar um longo tempo para embarcar na leitura de 1984.

Concordando com todas as críticas escritas sobre ele, não preciso dizer a você, mais uma vez, o quão bom e profundamente importante o seu livro é. Deixe-me então falar sobre o assunto que o livro aborda – a revolução final? Os primeiros sinais de uma filosofia da revolução final – a revolução que vai além da politica e economia, que visa à subversão total da psicologia e fisiologia do indivíduo – serão achados no Marquês de Sade, que se considerava o continuador, o consumador, de Robespierre e Babeuf. A filosofia da minoria dominante em 1984 é um sadismo que foi levado para sua conclusão lógica, além do sexo e da negação dele. Mesmo que na realidade a política “bota-na-cara” (boot-on-the-face) possa seguir indefinidamente, parece improvável. Acredito que a minoria oligárquica encontrará métodos menos árduos e sem desperdícios de governar e satisfazer seu desejo de poder, e esses métodos vão lembrar aqueles que eu descrevi em Admirável Mundo Novo. Eu tive recentemente a oportunidade de examinar a história do magnetismo e hipnotismo animal, e fiquei impressionado pela maneira como, durante 150 anos, o mundo se recusou a conhecer seriamente as descobertas de Mesmer, Braid, Esdaile e o resto.

Em parte por causa do materialismo vigente e em parte por causa da respeitabilidade, filósofos do século 19 e homens da ciência não estavam dispostos a investigar os fatos mais estranhos da psicologia para os homens práticos, como os políticos, soldados e policiais, para aplicar no campo do governo. Graças à ignorância voluntária de nossos pais, o acontecimento da revolução final foi adiado em cinco ou seis gerações. Outro acidente de sorte, foi à inabilidade de Freud para hipnotizar com sucesso e sua consequente descredibilidade do hipnotismo. Isso atrasou a aplicação do hipnotismo na psiquiatria por pelo menos 40 anos. Mas agora a psicanálise esta sendo combinada à hipnose; e a hipnose se tornou mais fácil e indefinidamente expansível com o uso de barbitúricos [soníferos, calmantes], que induzem a hipnose e estados sugestíveis mesmo nos assuntos mais recalcitrantes.

Na próxima geração eu acredito que os governantes do mundo vão descobrir que condicionamento infantil e narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que clubes e prisões, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas o amor pela servidão assim como por punições até torna-los obedientes. Em outras palavras, eu sinto que o pesadelo de 1984 é destinado a modular, se integrar ao pesadelo de um mundo mais parecido com aquele que imaginei em Admirável Mundo Novo. A mudança será trazida como resultado de um necessário aumento na eficiência. Enquanto isso, é claro, talvez ocorra uma grande guerra biológica ou atômica – nesse caso nós teremos tipos inimagináveis de pesadelos.

Obrigado mais uma vez pelo livro.

Sinceramente,

Aldous Huxley

George Orwell

Carta de Aldous Huxley para George Orwell, logo após o lançamento de 1984. Tradução de Distrito 8 – Cláudia Charão. Visto aqui.

Os comentários estão desativados.
%d blogueiros gostam disto: